Mudamos para www.tradutorprofissional.com

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Um zero à esquerda

O que é um "zero à esquerda"? Nada! Quando se diz, "fulano é um zero à esquerda", estamos dizendo que Fulano é um nada, um irrelevante, certo? Ótimo. Bom saber que você concorda comigo.

Agora, então, por favor, me diga, porque essa mania de adicionar zeros antes das unidades? O numero da minha casa é seis. Cada vez que dou o meu endereço, a turma escreve "06". Se fosse doze, teriam escrito "12", sem zero à esquerda; se fosse cem, escreveriam 100, sem zero a esquerda. Como é seis, escrevem "06", com um zero à esquerda. Para quê?

Há muitos anos, era permitido licenciar carros de duas portas como táxis em SP. Todos eles tinham um cartaz se referindo a "carros de 02 portas".

Um colega, tradutor profissional e que, portanto, deveria saber escrever, me diz que tem "02 serviços" para entregar. Deveria ter dito que tinha "dois serviços", não "02". Quer abreviar, era uma mensagem eletrônica, temos pouco tempo, que seja. Então, deveria ter dito "2 serviços", sem zero à esquerda. Não vi, não conheço, nenhuma regra que diga que quando o número é uma unidade, seja necessário ou correto usar um zero à esquerda.

Dizem que é por segurança, para que ninguém adultere. É mesmo? Qual é a chance de alguém, num texto impresso, inserir um algarismo a mais? Quer dizer, qual a chance de alguém entrar aqui no blog e transformar o meu "Rua Tal, nº 6" em "Rua Tal, nº 16"? Qual a possibilidade de alguém mudar o cartaz que havia nos táxis paulistanos para "carros de 12 portas"?

Mas, se você entregar o texto em formato eletrônico, não é o zero à esquerda que vai impedir adulterações, pode ter certeza.

Cada vez que embirro com o "zero seis", alguém me vem dizer que tem uma regra que manda. Tem, nada! Escrevi até para a Academia Brasileira de Letras, perguntando se existe alguma base para esse uso. Está aqui a resposta que recebi:
ABL RESPONDE

Pergunta : Existe alguma razão para o uso de zeros à esquerda dos números de um a nove? Coisas como "Fulano tem 02 filhos"? Obrigado.

Resposta : Usa-se o zero à esquerda mais em cheques para evitar fraudes. Numa frase comum, não se usa o zero à esquerda. Fulano tem dois filhos é a melhor redação. OU : Fulano tem 2 filhos.

O uso de zero à esquerda em cheques, evidentemente, só se faz necessário quando o cheque é manuscrito. E acho que se esqueceram de mencionar que se usa zero antes da vírgula, quando há decimais: 0,5%, para tornar a vírgula mais visível. De resto, zero à esquerda é zero à esquerda.

13 comentários:

Petê Rissatti disse...

Eu sofro com isso. Eu tiro zero, as pessoas põem. Fico p#$o da vida com isso.

Abraço

Camilinha disse...

Danilo, se o meu amigo tivesse escrito "2 serviços", eu aceitaria, pois eu consideraria uma redação coloquial, informal.

Entretanto, concordo contigo quando ao "não" uso do zero à esquerda e da redação do número (dois serviços, 2 filhos) quando se tratar de unidades.

Danilo Nogueira disse...

Escreve para a ABL perguntando e guarda a resposta para mostrar. É muito divertido.

Amplexos complexos e perplexos.

Marion disse...

Concordo com você, Danilo. O único momento em que uso o zero antes dos números de 1 a 9 é quando coloco títulos de arquivo, senão bagunça a ordem, isto é, quando tem mais de 9 arquivos do mesmo tema, é claro. Por exemplo, Capítulos 01, 02, 03, etc. Se não faço isso, a ordem de arquivo fica: 1, 10, 11, 12, etc. Não sei se tem a ver com o sistema binário. Sou muito limitada nessas coisas.
Te gosto mesmo assim.
Marion

Danilo Nogueira disse...

Exato, Marion, mas isso se aplica também às dezenas, quando houver mais de cem arquivos:

arquivo 001
arquivo 002
arquivo 098
arquivo 099
arquivo 101

Quer dizer, não tem nada com o serem unidades.

Erik Borten disse...

Danilo, eu tinha ouvido esta história do "zero à esquerda" ANTES que o homem tive se brutalizado a ponto de acrescentá-lo à esquerda das unidades.
A história que me foi apresentada então, na década de 50, era que tanto o zero quanto o infinito são abstrações (eu adorava aquela história do "oito deitado", mas precisei de uns anos até entender mais da coisa.
Explico: Na natureza, NÃO EXISTE ZERO DE ALGUMA COISA. Sempre haverá um "traço", seja por exemplo "um milionésimo" da coisa. Esse milionésimo pode ir rareando até se tornar um quinquilionésimo, sempre podendo se dividir mais e mais. Tendendo a ZERO, mas sem nunca chegar lá.
Em suma, o ZERO não existe nos números reais.
Bom, a escala dos números reais é representada por uma reta, colocando os números positivos à DIREITA e os NEGATIVOS à esquerda.
Assim, o nosso infinitésimo (o quinquilionésimo) de algo é algo positivo.
O ZERO À ESQUERDA é aquilo que NEM CHEGOU A SER ZERO. (é algo que está devendo para chegar a zero, é o nosso quinquilionésimo negativo, é o buraquinho infinitesimal.)
Isso é o que ouço desde pequeno (venho de uma família de engenheiros, arquitetos, matemáticos e químicos, ops, este foi um tio apenas).
Talvez valesse pesquisar a respeito.
No mínimo, minha historinha é menos "embrutecida" que a atual que você mencionou...
Um abração!
Erik

Bernadette Weiss disse...

Danilo, você deveria ser escritor também! Tenho certeza que este seu texto seria muito bem vindo em qualquer períodico!
Parabéns pelo texto que, além de ser divertido, provoca reflexão!!

Manu disse...

Bom, eu tinha essa mania do zero à esquerda até os 20 anos, quando fiz estágio com um advogado muito meticuloso. Quando fui passar para ele revisar o primeiro documento que escrevi, ele me sentou à frente dele, e colocou mais um tanto de zeros à esquerda do número que eu havia escrito (salvo engano, era uma data) e perguntou: "e aí, o número se alterou?". Desde então, percebi a inutilidade do zero à esquerda e o aboli da minha vida!

Danilo Nogueira disse...

Erik

Parmênides já dizia coisa parecida.

Danilo Nogueira disse...

Manu,

todos deveriam trabalhar com um sujeito assim. Ensinou de tal maneira que ficou gravado no teu cérebro para sempre.

Danilo Nogueira disse...

Camilinha,

Pois é, existem o coloquial e o formal, claro. Mas, como você bem nota, tem o coloquial certo e o coloquial errado.

Kelli Semolini disse...

Depois da explicação do Erik, ficou ainda mais divertido chamar alguém de "zero à esquerda", alguém que não consegue nem mesmo ser um nada. Nem isso!

HTSI -- How to Say It disse...

Danilo,
Você está coberto de razão. Por longos anos somente trabalhei com o MS Word e sempre fui contra o uso desses zeros inúteis. Sempre tirei. Há poucos anos comecei a usar o Excel e notei que há opções de formatação de células para datas tanto com como sem zero à esquerda. Acho que deve haver uma razão para isso, mas isso não passa de suposição, e continuo optando pelo número sem o zero a esquerda.
Para maior clareza nas tabelas, costumo usar a opção que transforma o mês de número para abreviação em três letras, por exemplo, 3/Apr/2009, ou abr se for em português.
Gosto de ler seu blog.