Mudamos para www.tradutorprofissional.com

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Hoje não dá para escrever nada sério

Então, vai uma historinha boba. Gerente de projeto americano monoglota de pai e mãe me passa uma lista de palavras soltas. Reclamei, pediu, reclamei, insistiu, avisei que ia dar encrenca, continuou a insistir, aceitei. Muitas palavras podiam ser substantivos ou verbos e, em sendo verbos, podiam estar no infinitivo ou no imperativo. Fui traduzindo por verbos no infinitivo. O cliente final tinha uma brasileira que ocupava o elevado posto de casca de ferida residente e que trocou os infinitos por substantivos, reclamou da tradução, mas não estava lá quando eu perguntei como proceder. Ah, sim, claro, prazo curtíssimo.

O gerente de projeto, irritadíssimo, me perguntou se eu não era capaz de traduzir uma palavra simples, como "contact", sem errar. Respondi que, como eu tinha avisado (e-mail tal e tal, essas coisas) muitas daquelas palavras tinham mais de uma tradução em português. O gerente de projeto, teimoso como ele só, perguntou, sarcástico, se mesmo palavras tão simples tinham tantas traduções em português. O molho de tomate que me corre nas veias ferveu e respondi que para "you", uma palavra simples entre as palavras simples, havia ao menos as seguintes traduções: tu, vós, você, vocês, o senhor, a senhora, os senhores, as senhoras, vossa senhoria, vossas senhorias, te, ti, lhe, vos, (con)tigo, (con)vosco, todas elas corretas e encontradiças em qualqer dicionário e que, só com o "you", sem mais contexto, não havia como ter certeza de ter dado a tradução certa, ou acertar com a tradução que o cliente queria.

Nunca mais ouvi falar do coitado.

11 comentários:

Ernesto Diniz disse...

Tem PM que realmente não sabe o que é Tradução. Que situação bizarra esse que você descreveu!!

Petê Rissatti disse...

Para terminar tardíssimo meu dia tradutório, nada melhor que uma boa "danilada" (lida no blogue do Danilo). Amplexos mil!

Marcos disse...

Cada vez que leio histórias deste tipo me dá vontade de mudar de profissão...

Danilo Nogueira disse...

Marcos,

Comigo é o contrário. Para mim, essas histórias simplesmente realçam o prazer de ser tradutor. E se você pensa que existe alguma profissão onde não corram histórias desse tipo, está muito enganado.

A grama não é mais verde do outro lado da cerca, embora possa parecer.

Ulisses Wehby de Carvalho disse...

Ótimo! Adorei! Vou usar como exemplo, citando a fonte, é lógico.

Abraços a todos

Fabio disse...

Infelizmente, é muito comum encontrar gerentes de projeto sem noção. Não só quanto aos aspectos linguísticos dos projetos, mas também quanto aos aspectos comerciais e organizacionais. Às vezes fico com a séria impressão de que são meros estagiários ou gente despreparada mesmo. Em fóruns de tradutores daqui da Europa, dizem que gerentes de projeto ganham muito pouco em relação aos tradutores freelancer. Deve ser por isso que tantos parecem ser tão mal preparados: ganham tão pouco que não se dão ao trabalho de aprender ou alargar os horizontes. Meses atrás, fiquei tão indignado com a falta de profissionalismo de uma gerente de projeto que escrevi no meu blog um artigo em inglês intitulado "Dear translation agencies: Please try not to look like amateurs".

Em tempo: antes que algum gerente de projeto se lance contra mim, devo dizer que tenho longos e frutíferos relacionamentos profissionais com vários ótimos gerentes de projeto em todo o mundo e por isso mesmo sei quando estou diante de um péssimo profissional dessa área.

Anônimo disse...

Um PM é geralmente, ainda que não falem, um Translation Project Manager... isto é, TPM. É preciso continuar? :-)

Cortiano disse...

Danilo,
Mais uma tradução para 'you', 'o contratante', Rs.

Anônimo disse...

A tradução geralmente requer um conhecimento globalizado do idioma, e realmente o Ulysses tem razão quando diz que alguem acha que é tradutor so porque "engoliu um dicionario". Quando me afasto da prática, preciso de pelo menos 3 meses de imersão em leitura atualizada para me sentir segura como "tradutora". Inteirar-se da "evolução" do idioma é primordial.Agradeço pela chance de ler artigos tão inteligentes como os seus.

Hilton F Santos disse...

Na briga pelo contexto, o mais novo adversário é a moda de "esquartejamento" do texto original por algumas agências. Explico. Textos repetitivos são cuidadosamente peneirados e viram planilhas Excel onde os termos, quando não uma única palavra, aparecem soltos e o tradutor que se vire. Quando o original em .pdf acompanha o original temos um mal menor, mas quando vem só a listagem no Excel o papel da sorte passa a ter peso significativo na obtenção de uma boa tradução...:-)
Abraços,

Hilton F Santos
En <> Pt.Br
São Paulo

Anônimo disse...

Boa noite!

Lendo um pouco sobre o ingles e no click e click cai aqui.

Eu gostei da informaçao. Mesmo que o titulo foi ironico ao meu ver. A frase final deu um toque especial. Para dar ênfase sobre o "contexto". Num simples post existe boa iluminaçao.

Vai que essa frase minha pega. O brasileiro entende. rsrsrsr