Mudamos para www.tradutorprofissional.com

quinta-feira, 22 de novembro de 2007

Propaganda enganosa?

Clique aqui. À primeira vista, parece inofensivo, até instrutivo. Procure, no alto, a bandeira do Brasil e cliquem em "português". Português do Brasil, certo? Algumas coisas esquisitas, como "Pode um Tradutor Público Juramentado fazer uma tradução simples?". Acho mais sensato "O Tradutor Público Juramentado pode fazer traduções simples?" – mas há quem goste de traduzir desse jeito e, a rigor, está correto.

Agora, vá descendo e veja ¿O que é uma Tradução Pública Juramentada? Um ponto de interrogação de cabeça para baixo. Isso se usa em português? Bom, pode ser deslize, isso acontece. Mas, em seguida, vem As traduções jurídicas ou traduções públicas juramentadas são diferentes às traduções simples. Como? diferentes às? Mais um deslize? Que raio de empresa de tradução é essa que bota umas bobagens como essa no seu site? E, por que traduções jurídicas ou traduções públicas juramentadas? Nem toda tradução jurídica é pública e juramentada e o oposto é igualmente verdade. Há toneladas de traduções juramentadas que, de jurídico, têm muito pouco. Cuja assinatura testemunham? Isso é lá concordância que se use? Responsáveis legalmente e penalmente de seu trabalho? Quem diabo escreveu isso? Quem diabo diz que isso é a minha língua?

O tradutor juramentado possui título universitário (a carreira dura 5 anos), com diferentes especialidades. Que loucura é essa? Mas foi esse trecho que me chamou a atenção para a verdade: um pouco mais de pesquisa cá e lá, me levou à conclusão de que a empresa é espanhola.

Nada contra as empresas espanholas. Nem há nada de errado em alguém, digamos, na Espanha, encarregar uma empresa espanhola de fazer uma tradução juramentada para o português. Espero que não tenha sido o incompetente que traduziu o site, mas isso é outra coisa. Porém – e é um grande porém – uma tradução juramentada só tem valor no Brasil se for feita por Tradutor Público e Intérprete Comercial (TPIC) concursado pela junta comercial do estado em que residir e que resida no estado onde foi concursado. Essa é a lei. Não fui eu quem ditou a lei nem me beneficio dela, já que não sou TPIC. Mas é a lei.

A lei brasileira não diz que você não pode pedir a uma empresa espanhola que te arranje uma tradução juramentada. Talvez você more na Espanha, precise apresentar uma tradução no Brasil, não tenha como, e procure a empresa espanhola, que mandaria o documento para o Brasil, encarregaria um TPIC brasileiro de traduzir o texto e entregaria a tradução feitinha para você na Espanha. Parece esquisito, mas pode ser verdade. Não sei como fica a questão de custo, nesse caso, mas não parece ser problema dos maiores.

Mas eles não estão descrevendo o processo de nomeação dos TPICs brasileiros e sim uma formação totalmente alheia à nossa. Então, ainda que mal pergunte, quem faz as traduções juramentadas para o português, para essa empresa? Tradutores espanhóis? Espero que saibam mais português do que o infeliz que traduziu o site, que está uma vergonha.

Mas mesmo que fossem traduções absolutamente brilhantes, não teriam a mais remota validade aqui, salvo se fossem feitas por TPIC concursado pela JUC de seu Estado e nomeado pelo Governador do Estado. Repetindo: mesmo que as traduções sejam feitas por um superarquirrequetecontra doutor em tradutologia portuguesa avançada pela Universidade de Salamanca, se não for também TPIC, não vale um tostão furado.

E, talvez por mero esquecimento, claro, a empresa se esqueceu de dizer isso no site. Que pena! Ou, talvez, deva dizer ¡Que pena!

Bom, alguém poderia dizer, e se quiserem tradução juramentada para o português do Brasil para apresentação em outro país? Quem quiser, que acredite.



2 comentários:

Rui Oliveira disse...

Danilo, da leitura do sítio em questão, cheguei a uma conclusão diferente da sua: parece-me que a empresa é argentina, até pela referência que eles fazem nas "perguntas frequentes" a uma lei 20.305, que é uma lei argentina de 24.4.73 (conforme encontrei na net).

No entanto, todas as questões que coloca, desde a qualidade da tradução em português, às questões sobre os tradutores juramentados (coisa inexistente por cá em Portugal), continuam a ser pertinentes.

Quem é confia numa empresa como esta?

Por fim, digo-lhe só que o seu blog tornou-se para mim de leitura obrigatória, tendo, pela sua, leitura, ficado a perceber que há muitos problemas comuns nesta profissão dos dois lados do Atlântico.

Ricardo disse...

Muito interessante o seu artigo! As suas questões são muito pertinentes!