Mudamos para www.tradutorprofissional.com

sábado, 14 de abril de 2007

Sua Majestade o Intérprete

Recebi ontem, abri, li um parágrafo. Veio completo, com dedicatória e tudo.

Dia pesado, corrido. No fim da noite, Vera e eu exaustos. Combinamos: uma hora de leitura e vamos para a cama. Gastei quinze minutos lendo algumas coisas que tinha de ler e, em seguida, abri o livro. Passada a "hora" (da qual 45 minutos tinham sido para o livro), a Vera disse "chega, agora, cama". Fomos dormir. Mas foi uma pena, porque o livrinho é fascinante e de bom grado continuaria a leitura, a despeito do cansaço.

O Ewandro escreve bem, a escrita dele é leve. É difícil escrever daquele jeito. É mais fácil escrever comprido e confuso, com narizes de cera e todas as outras emperiquitações e emperiquitamentos de estilo. Mas a escrita dele flui gostoso e passa de um assunto para outro com uma facilidade única. Deve ter trabalhado o texto com extremo cuidado.

Não se trata de um livro teórico. Trata-se daquela conversinha de mineiro (minha nora também é mineira, sei como é) que vai envolvendo a gente aos poucos. Mesmo quando faz observações profundas, como no capítulo "Um corpo que cai", ele vai tranquilo, sem procurar exibir sua vasta sabença com termos que só o Antonio Houaiss conhece ou construções abstrusas e serpentinas que impressionam mais do que ensinam. Quem sabe, quem tem o que dizer, pode simplesmente se dar ao luxo de dar o recado com simplicidade.

O livro trada de interpretação simultânea, como já indica o nome, "Sua Majestade, o Intérprete". Não é uma daquelas coisas do tipo "como se tornar um intérprete de sucesso em uma semana", o Ewandro é honesto demais para fazer uma coisa dessas. Entretanto, tem uma quantidade enorme de comentários que fazem pensar e, caso acabe se dedicando á simultânea, comentários que vão ajudar a você se tornar um profissional mais capaz.

Altamente recomendável para estudantes, principalmente porque fala das realidades da profissão do ponto de vista de um sujeito que passou seis mil horas dentro de uma cabine de simultânea, quer dizer, de alguém que conhece a realidade da profissão, não de alguém que passou a vida num gabinete em lucubrações metafísicas.

Agora, hoje de noite, termino o livro. É breve, coisa de 250 páginas, em formato de bolso.

O nome completo? Ewandro Magalhães Jr., "Sua Majestade, o Intérprete" Parábola SP Brasil ISBN 978-85-88456-59-4.

Boa leitura para todos, obrigado pela visita e volte amanhã.

4 comentários:

Ewandro disse...

Puxa, Danilo. Fiquei lisonjeado com o seu depoimento. Que bom que você gostou! O autor nunca sabe ao certo que impacto terá o que escreve. Fico feliz que esteja agradando. Espero que goste ainda mais da segunda metade do livro. Obrigado pelo depoimento.

Ayrton disse...

Ewandro é autor de outro livro "O Eu em Cubos", livro de contos lançado em 2003, que me foi presenteado e autografado pelo autor e que li com bastante interesse da capa à contra-capa, numa dessas viagens transoceânicas, e confesso que gostei muito. Danilo tem razão. É invejável a capacidade de Ewandro para escrever as coisas mais profundas com palavras simples. Gostaria de ter esse seu talento. Recebi também "Sua Majestade, o Intérprete", carinhosamente autografado pelo autor e igualmente me dedicarei à sua leitura como um aprendiz aplicado. Sucesso, Ewandro!

Robson Corrêa de Araújo disse...

li e atesto é um livro que nos conduz a todas as possibilidades da palavra interprete,e para aqueles que gostam de interpretar, postei hoje lá no:www.punctumstudium.blogspot.com À nós os zés...
vão lá, e degustem a vontada!

Cleiton Rafael disse...

Participei do IV CIATI da Ibero-Americana e uma das gratas surpresas foi saber que o livro do Ewandro estava sendo lançado em primeirão mão durante o congresso.
Na volta pra casa, Minas Gerais Uaí, comecei a ler o livro e fiquei fascinado com o estilo do autor e com a beleza da profissão.
Quando fui procurar mais informações sobre o Ewandro, encontrei um comentário do Danilo. Perfeito! Meu mestre aprovou o livro, preciso de mais o quê?
Parabéns ao Ewandro pela obra. Como estudante do quarto ano de tradução e interpretação, fui auxiliado a trilhar os caminhos da interpretação com um pouco mais de esclareciimento.
Ao meu amigo Danilo, obrigado por sempre se fazer presente com suas opiniões maravilhosas. Já o encontrei em sites da Inglaterra e na boca de muitos professores.
São profissionais como o Danilo e o Ewandro que fazem a gente se apaixonar cada vez mais pelas profissiões de tradutor e intérpete.
Agora só me falta ler o outro livro do Ewandro, O Eu em cubos, e encontrar outros artigos do Danilo.