Mudamos para www.tradutorprofissional.com

terça-feira, 21 de novembro de 2006

Regulamentação

A regulamentação significaria que, para traduzir, seria necessário diploma de tradutor, o que seria excelente para as faculdades, que teriam um público cativo. Entretanto, não significaria que quem tivesse curso superior iria ter serviço, quer dizer, para os tradutores não ia adiantar muito. Nem muito menos significaria que as faculdades iam ser obrigadas a ensinar as coisas que é necessário saber para conseguir se firmar no mercado.

Se a profissão regulamentada, a porteira ia ser fechada para os que não tivessem curso superior, mas quem já estivesse atuando como tradutor, teria seus direitos adquiridos respeitados. Há tanta gente atualmente nessa situação de “direitos adquiridos” (incluindo eu) que os efeitos iam começar a ser sentidos somente depois que boa parte dessa gente morresse ou se aposentasse.

Isso, evidentemente, se a regulamentação “pegasse”. A regulamentação das secretárias, por exemplo, não pegou: para contornar a lei, foi criada a “assistente administrativa” e nós todos conhecemos casos de “pessoa que assina” em outras profissões.

Entretanto, mesmo que todos os que hoje exercem a profissão sem serem diplomados fossem impedidos de traduzir, não haveria serviço suficiente para todos os formados em cursos superiores de tradução. Curso superior de tradução virou moda e o mercado está saturado.

Aliás, não há absolutamente lugar algum no mundo em que a profissão de tradutor seja regulamentada. Existem, sim, países onde o diploma é mais valorizado. Mas essa é outra história.

Espero que tenha achado este artigo interessante. Deixe seu comentário e volte amanhã, que tem mais.

(amanhã volto ao assunto da terceiriação)

Um comentário:

Rafael Cavalcanti disse...

Bem, não sei se em outros países a profissão é regulamentada, mas acho que não se deve exercer este ofício sem algum tipo de validação, seja de entidade de classe ou de sindicato. Portanto, não é só se lançar no mercado: é mister provar que se tem um padrão mínimo de qualificação exigido, independente de diploma de ensino superior.